Se você deixar,
o Aedes chega para ficar.

Muita gente acha que os criadouros do Aedes estão longe de casa, escondidos em terrenos abandonados, imóveis fechados e nos parques da cidade. Será mesmo? Nada disso!

 

Em Ribeirão Preto, 80% dos focos do mosquito estão onde você mora e trabalha. Isso mesmo: bem debaixo do seu teto, bem pertinho de quem você gosta.

 

Por isso é tão importante que você elimine os criadouros do Aedes toda a semana, já que em sete dias o ovo eclode e o mosquito está prontinho para atacar.

Verão:
As chuvas aumentam.
O perigo também.

Qualquer gotinha d´água já faz o verão do Aedes, literalmente. Na estação mais chuvosa do ano é fundamental redobrar os cuidados já que o número de casos confirmados de dengue, normalmente, aumenta. Isso acontece porque há mais água parada disponível. A temperatura mais alta nos termômetros também favorece a proliferação dos mosquitos.

Prevenção:
informação campeã de
audiência e de likes.

 

Saiba mais sobre o combate ao Aedes nos vídeos e não dê refresco para o mosquito no verão!

Aedes:
4 vezes
mais nocivo.

O Aedes é um mosquito que vive, em média, quatro semanas e transmite a dengue, a febre amarela, o Zika vírus e a Chikungunya.

 

Mas, afinal, por que mosquito pica as pessoas? Porque a fêmea do mosquito precisa do sangue humano para o amadurecimento dos ovos.

 

Informação importante: existem quatro tipos de vírus da dengue. Quem já foi infectado por um tipo, não está protegido contra os demais.

Teste seu conhecimento
em cinco afirmações:

O Aedes só pica durante o dia.

Falso. Embora tenha hábitos diurnos, o mosquito pode picar à noite, caso esteja em uma residência em que os moradores trabalham fora durante o dia, por exemplo. O mosquito precisa estar entre as pessoas não importa o horário.

 

O Aedes prefere água pôr os ovos em água limpa.

Verdadeiro. Ainda assim, o mosquito se transformou nas últimas décadas, em um processo de adaptação biológica. Onde existem altos índices de infestação, maior é a probabilidade de o mosquito mudar, possibilitando a sua oviposição mesmo em água suja.

O mosquito transmite o vírus HIV.

Falso. Sabe-se que o Aedes transmite, comprovadamente, as quatro doenças já citadas.

 

Soluções caseiras como comer alho ou passar cravo em infusão de álcool na pele protegem contra o mosquito.

Falso. Evite as indicações de fórmulas sem comprovação científica. Qualquer componente utilizado de maneira preventiva deve ser aprovado pela Anvisa, agência que regulamenta a comercialização de remédios no país. A arma mais eficiente continua sendo a prevenção!

 

O Aedes não consegue atingir andares altos.

Falso. Mesmo quem mora em apartamento está sujeito a ser picado pelo mosquito, já que ele pode subir até de elevador.

Conheça as quatro doenças
transmitidas pelo Aedes:

 

 

DENGUE CHIKUNGUNYA

A principal forma de transmissão é pela picada dos mosquitos Aedes aegypti. Também já foram notificados casos de transmissão da gestante para o seu bebê e por transfusão de sangue.

 

 

 

 

 

 

A transmissão acontece pela picada dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus infectados.

Há possibilidade de transmissão da gestante para o seu bebê.

 

  • Febre alta de 39ºC a 40ºC, de início abrupto, por 2 a 7 dias
  • Dor de cabeça e atrás dos olhos
  • Dores no corpo e nas articulações
  • Cansaço e fraqueza
  • Manchas vermelhas e coceira na pele
  • Perda de peso, náusea e vômito
  • Febre alta e de início abrupto por 2 a 3 dias
  • Dor de cabeça
  • Dor nas articulações, principalmente nos pés e nas mãos
  • Dor nos músculos
  • Manchas vermelhas na pele
Na dengue grave, os sintomas podem piorar em até 24 horas. Cerca de 30% das pessoas infectadas não apresentam sintomas.

 

 

 

 

ZIKA VÍRUS FEBRE AMARELA

A transmissão acontece pela picada do Aedes aegypti. O Ministério da Saúde recomenda o uso de preservativo em todas as relações sexuais: oral, anal ou vaginal.

Em áreas de floresta e rurais, a transmissão acontece pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, e os macacos são os principais hospedeiros. Já nas cidades, a transmissão acontece, principalmente, pela picada do mosquito Aedes aegypti.


O macaco não transmite a doença diretamente para o homem.

  • Dor de cabeça
  • Febre baixa por 1 ou 2 dias
  • Dores leves nas articulações
  • Manchas vermelhas, coceira na pele e vermelhidão nos olhos
  • Dor e inchaço nas articulações
  • Dor nos músculos
  • Conjuntivite presente entre 50% e 90% dos casos
  • Febre e calafrios
  • Cansaço e fraqueza
  • Dores de cabeça e muscular
  • Hemorragia (gengiva, nariz, estômago, intestino e urina)
  • Icterícia (olhos e pele amarelados)
Cerca de 80% das pessoas infectadas pelo Zika vírus não apresentam sintomas. Muitos casos não apresentam sintomas.

 

 

DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA VÍRUS FEBRE AMARELA

Como é transmitida

A principal forma de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti.

Também já foram notificados casos de transmissão da gestante para o seu bebê e por transfusão de sangue.

A transmissão acontece pela picada dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

Há possibilidade de transmissão da gestante para o seu bebê.

A transmissão acontece pela picada do mosquito Aedes aegypti.

O Ministério da Saúde também recomenda o uso de preservativo em todas as relações sexuais, pois há risco de transmissão.

Em áreas de floresta e rurais, a transmissão acontece pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes e os macacos são os principais hospedeiros.

Já nas cidades, a transmissão acontece, principalmente, pela picada do mosquito Aedes aegypti.

O macaco não transmite a doença diretamente para o homem.


Quais os sintomas

Febre alta repentina, por 2 a 7 dias;

Dor de cabeça e atrás dos olhos;

Dores no corpo e nas articulações;

Cansaço e fraqueza;

Manchas vermelhas e coceira na pele;

Perda de peso, náusea e vômito.

Febre alta repentina, por 2 a 3 dias;

Dor de cabeça;

Dor nas articulações, principalmente nos pés e nas mãos;

Dor nos músculos;

Manchas vermelhas
na pele.

Dor de cabeça;

Febre baixa por
1 ou 2 dias;

Dores leves nas articulações;

Manchas vermelhas, coceira na pele e vermelhidão nos olhos;

Dor e inchaço nas articulações;

Dor nos músculos;

Conjuntivite presente entre 50% e 90%
dos casos.

Febre e calafrios;

Cansaço e fraqueza;

Dores de cabeça e muscular;

Hemorragia (gengiva, nariz, estômago, intestino e urina);

Icterícia (olhos e
pele amarelados);

Náusea e vômitos.

ATENÇÃO: A intensidade dos sintomas muda de pessoa para pessoa. Cada caso é único.

*Em Ribeirão Preto, você encontra a vacina gratuita contra a febre amarela. Quem tem mais de 60 anos e nunca foi imunizado deve passar por avaliação médica. Confira também as situações em que há contraindicação da vacina: crianças menores de 6 meses de idade; gestantes; pessoas com o sistema imune comprometido por doenças como a AIDS; pessoas que estejam usando corticosteroides ou fazendo quimioterapia e radioterapia; pessoas que fizeram transplante de órgãos; pessoas com histórico de alergia grave a substâncias presentes na vacina (ovo de galinha e seus derivados, gelatina bovina) e pessoas com histórico de doenças do timo, uma glândula relacionada ao sistema imunológico (miastenia gravis, timoma, casos de ausência de timo ou remoção cirúrgica).

   

Cuide da sua casa
em 3 passos:

 

 

Cuide da sua casa
em 3 passos:

 

Lar protegido:

 

Confira todas as dicas para deixar sua casa e
seu ambiente de trabalho seguros.

 

Mantenha tonéis e barris de água tampados;

Toneis e barris de água: manter tampados.

Mantenha tonéis e barris de água tampados;

Caixa d´água: deixar bem fechada e colocar uma tela no "ladrão".

Remova folhas, galhos e objetos das calhas;

Calhas: manter sempre limpas, niveladas e desentupidas, retirando folhas e galhos acumulados.

Evite que a água fique acumulada na laje;

Laje: retirar a água acumulada.

Coloque pratinhos bem ajustados aos vasos de plantas ou, então, encha com areia até a borda;

Prato de Plantas: retirar, furar ou substituir por um prato justaposto.

Coloque o lixo em sacos plásticos fechados, depositando-os dentro de lixeiras tampadas. Não descarte em terrenos baldios;

Lixo: colocar em sacos plásticos fechados, depositando-os dentro de lixeiras tampadas.

Mantenha garrafas e recipientes virados com a boca para baixo ou tampados;

Recicláveis (utensílios plásticos, frascos, garrafas): manter em local coberto ou armazenar de forma que não acumule água.

Cubra os pneus com lonas bem esticadas ou guarde-os em locais cobertos;

Pneus: guardar secos e em local coberto. Se preferir, realizar tratamento colocando detergente ou sabão em toda a parte interna.

Se o ralo não for de abrir e fechar, coloque uma tela fina ou uma tampa ralo para impedir o acesso do mosquito;

Ralo: colocar uma tela fina sobre o mesmo, caso não seja possível abri-lo.

Limpe a piscina utilizando os produtos químicos apropriados (com cloro);

Piscina: manter sempre limpa e tratada com cloro adequadamente.

Coloque areia dentro dos cacos que possam acumular água;

Cacos nos muros: colocar areia em cada um deles, evitando o acúmulo de água.

Lave as bandejas do ar-condicionado, purificador de água e geladeira uma vez por semana, usando sempre bucha e sabão e, em seguida, coloque detergente;

Bandejas de água do ar-condicionado, da geladeira, do filtro e umidificador de ar: limpe regularmente.
Hortas, vasos e floreiras nas janelas e varandas: retirar a água parada.

Quanto aplicar
em cada lugar:

Local

Tratamento

Vasos sanitários que não são de uso diário Adicionar 1 colher de sopa de água sanitária
Caixa de descarga sanitária que não é de uso diário Adicionar 2 colheres de sopa de água sanitária
Ralos externos (captam água de chuva e de limpeza) e internos Adicionar 1 colher de sopa de sal de cozinha
Tambores de armazenamento (200 litros) de água não utilizada para consumo humano Adicionar 2 copos americanos de água sanitária e manter os tambores tampados com tela tipo mosquiteiro
   

Vigilância Ambiental
em Saúde:

Parceria pela
vida batendo
na sua porta.

 

A Prefeitura sabe que o combate ao Aedes precisa ser contínuo e prioriza ações de prevenção. Por isso, os agentes da Vigilância Ambiental em Saúde trabalham a semana inteira, fazendo vistorias em espaços públicos, nas residências e também nas empresas, eliminando os criadouros e, claro, orientando a população.

 

Receba o agente na sua casa e local de trabalho - ele está uniformizado e usa crachá de identificação - e repita as ações corretamente, mobilizando a sua família, os vizinhos e amigos.